5ª ATA DO LIVRO DE OURO DO GOB DE 12/07/1822 - Almir Sant'Anna Cruz

 


REPROVADA A INICIAÇÃO DO “CHALAÇA"

Observa-se na leitura da Ata, a grande preocupação e zelo da Alta Administração do Grande Oriente do Brasil, constituída em Grande Loja, na concessão de autorizações às Lojas para filiarem, iniciarem e concederem elevações de graus.

Nessa 5ª Ata foram reprovados os candidatos José Caetano de Oliveira, Diretor do Laboratório e Francisco Gomes da Silva.

O Diretor do Laboratório foi rejeitado pela impossibilidade física de comparecer e ajudar na causa do país e Francisco Gomes da Silva por sua *indiferença à causa do país e por imoralidade*.


E quem foi Francisco Gomes da Silva? 

O companheiro de esbórnia e arregimentador de belas mulheres para D. Pedro, inclusive da famosa Maria Domitila de Castro Canto e Melo, que mais tarde recebeu o título de Marquesa de Santos. 

De Guarda de Honra tornou-se secretário particular de D. Pedro e promovido sucessivamente a tenente, capitão e coronel comandante. 

Passou para a História conhecido por sua alcunha: o *“Chalaça”*.


Consta também nesta Ata que o Grande Promotor da Grande Loja (General Luiz Pereira da Nóbrega) deveria admoestar e punir José Sanches de Brito por suas ‘indignidades maçônicas e morais, suspeitando-se que pretendia provocar um cisma e trabalhando com fins opostos aos dos Maçons, ou seja, a Independência do Brasil. 

Do livro *A História eu a História não conta: a Maçonaria na Independência do Brasil - Interessados contatar o Irm.’. Almir no WhatsApp (21) 99568-1350

Comentários