FIZ 70 ANOS NESTE 28 DE SETEMBRO

 



Fiz 70 anos neste dia 28 de setembro. Estas datas redondas são sempre um motivo de comemoração especial, que neste caso, devido à quarentena, não tem como acontecer. Então, da janela da sala, olhando para o mar revolto neste tempestuoso dia, me pus a rememorar alguns episódios do que foram os meus anos. Já tive a oportunidade de escrever longamente e publicar aqui mesmo, sobre a minha infância e juventude em Sorocaba com os meus pais. Da incipiente aventura de jornalismo na Folha de Sorocaba e no jornal Cruzeiro do Sul, de onde ainda guardo alguns poucos colegas e amigos que reencontrei graças ao milagre do Facebook.

 Prossigo agora com tempos de Faculdade de Direito na Universidade Católica de Petrópolis e da Livraria Debret. Lá me viciei em leituras e fiz a minha primeira palestra. O Dr. Mário Fonseca, médico e intelectual, presidente da Associação Petropolitana de Cultura vaticinou que algum dia eu me tornaria um palestrante e é claro que não acreditei, mas ele, experiente e sábio anteviu o futuro, Deste tempo ainda mantenho contato com o Fred Lage, meu colega na Livraria e filho da querida amiga e colega da Faculdade Dorothy (Doty) Lage. Eu, muito jovem, vivendo sem conhecer ninguém na Cidade Imperial, frequentava os saraus na sua mansão na Avenida Ipiranga, onde encontrava as vezes com Leila Diniz, o Príncipe D. Pedro ou um dos Rockfeller, entre outras celebridades. Alguém perguntou uma vez “de qual família ele é?” e ela, generosidade em pessoa, me abraçou pelos ombros e respondeu: - ele é meu amigo. – Jamais vou esquecer.

Guardo doces lembranças de meus patrões na Livraria Debret, Aristides e Carolina Cerqueira Leite. Ele, um dos primeiros homens de TV no Brasil, na extinta TV Excelsior, patrão do Boni, que cita este fato em sua biografia e o criador do programa A Voz do Brasil. Aristides era um homem calmo e metódico que me ensinou a ser organizado. Nos demorados almoços no restaurante da Mirtes Paranhos na Rua Irmãos D’Angelo, vizinho da Livraria, ele contava histórias, citava exemplos e ia moldando o meu agitado temperamento. Sua inteligentíssima esposa Carolina, concertista de piano, “chef”, escritora, foi uma das primeiras mulheres a dirigir sozinha na Via Dutra do Rio a São Paulo, na época uma aventura. Na sua maravilhosa casa de campo em Itaipava, onde morei por algum tempo, ela fazia delícias para os frequentes convidados. Uma ocasião foi comida japonesa. Eu disse que não gostava. Ela perguntou se eu já havia experimentado e respondi que não. Aí veio a preciosa lição: - Michael, nunca se negue a experimentar o que você não conhece, pode ter uma surpresa. – Experimentei e até hoje sou fã de comida japonesa. Acompanhei linha por linha e ajudei a revisar a construção de seu romance “Appassionata”, um dos livros mais gostosos que já li. Guardo como relíquia o exemplar que me foi dedicado.

Não pude terminar a Faculdade. Recém casado com a minha primeira esposa e passando grandes dificuldades financeiras perdemos nossa primeira filha por incompatibilidade RH. Resolvi buscar um melhor padrão de vida e procurei um emprego mais bem remunerado. Na época o Jornal do Brasil e o Globo tinham cadernos de empregos que pesavam mais de um quilo com milhares de oportunidades de trabalho. VI um anúncio da IBM e me inscrevi. Passei entre mais de trezentos candidatos. Fui um dos melhores vendedores de equipamentos para escritório, comprei um belo apartamento em Icaraí, Niterói, um Opala novo e ganhei uma viagem para o Hawaií. O grupo de ex-ibemistas ainda está muito ativo e mantenho contato frequente com o Eduardo Luiz Portela, um dos três colegas que passou naquela seleção.  Foi o melhor emprego que alguém pode ter na vida, mas ambicioso, eu sonhava em voar mais alto.

DOAÇÃO DE LIVROS

Postagem do companheiro do Rotary E-club Marcos Buim:

No dia 10 de setembro estivemos em Mongaguá na residência do companheiro Michael, ocasião em que retiramos mais um lote de livros que foram entregues em São Paulo aos companheiros Cabral e Márcia (aos quais somamos mais alguns livros) e estes providenciaram a seleção e o encaminhamento para as bibliotecas escolares da região.

FILOSOFIA DA FELICIDADE


O problema da felicidade é todo de ordem espiritual. Ser feliz importa em determinado estado de alma, que independe de circunstâncias externas. A felicidade, como a imortalidade, está na trama íntima da vida mesma, dessa vida que não começa no berço, nem termina no túmulo.

Sem fé, não há felicidade.  A alegria de viver vem do otimismo; o otimismo é filho da fé.  Sentir alegria de viver, ser otimista, ter fé: eis a felicidade. A felicidade não conhece passado, nem futuro: está sempre no presente.

O sofrimento não destrói a felicidade; esta é que age sobre aquele, suavizando-o hoje, dissipando-o amanhã Assim como da noite desponta o dia, assim a felicidade, muitas vezes, nasce da própria dor.

Buscar a felicidade fora do ser interior, diz Vigil, é fazer como o caracol que andasse à cata de sua casa.  É, ainda, como a jovem solteira que, ao cair destardes, esperasse pelo marido.

Pela felicidade, como pelo céu, ninguém tem que esperar.  Os que esperam jamais alcançam.  Os que querem deveras a felicidade, já estão com ela.  Os que realmente querem o céu, já nele estão, tem nele a sua morada:  "A hora vem, e agora é."

(Vinicius - Pedro de Camargo. Livro: Em Torno do Mestre)

*Com o tempo, você vai percebendo que, para ser feliz, você precisa aprender a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você. Às vezes construímos sonhos em cima de grandes pessoas... O tempo passa... e descobrimos que grandes mesmo eram os sonhos e as pessoas pequenas demais para torná-los reais.

Como iniciar o caminho para a felicidade? É possível chegar a algum destino sem dar o primeiro passo? Não duvidemos de que, o primeiríssimo passo para a felicidade é ver Deus em todas as coisas ao nosso alcance. Vê-Lo e sentí-Lo na utilidade da água, no poder da luz do sol, no descanso à noite, na maravilha de cada amanhecer, nos movimentos dos dias e das noites, no crescimento das plantas, flores e frutos, enfim, em todo Universo infinito e eterno.

Também, vendo, sentindo, e nos convencendo das nossas qualidades e da nossa força. Assim agindo, os passos seguintes rumo à felicidade virão naturalmente, quando então, o caminho difícil se torna mais fácil. 

É também caminho para a felicidade a arrumação da nossa casa interna, colocando-a em ordem no dia-a-dia. Luz no lugar da  escuridão; fortaleza se houver fraqueza; esperança se houver desalento; trabalho no lugar da preguiça e combate à intranquilidade e à tristeza com muita alegria e otimismo.

Desafoguemos o nosso íntimo dos pensamentos que nada nos acrescentam, usando a vassoura das boas intenções e da prática do bem por onde passarmos. A nossa mente estará sempre serena, limpa e pura.


NÃO JULGUE SEM CONHECER

 Pense antes de responder, conheça antes de julgar. Nestes tempos de pandemia, informações desencontradas e contra informações frequentes eu...