O GADU É UM DEUS MAÇÔNICO? - José A. Ferrer Benimeli


Nas Constituições  de Anderson, datadas de 1723, é feita alusão a “Deus, o Grande Arquiteto do Universo” (p. 1), e ao “Deus do Céu, o Omnipotente Arquiteto do Universo” (p. 18). Mas Anderson também fala de Cristo como “Grande Arquiteto da Igreja” (pp. 24-24).

No primeiro artigo das Constituições de  Anderson, é dito “que o Maçom é obrigado pelo seu compromisso a obedecer à lei moral, e se ele entender bem a Arte , ele nunca será um ateu estúpido ou um libertino irreligioso.” Sem nomear Deus a crença em Deus é necessária, porque os ateus são excluídos de forma Direta e expressa.

No entanto, não há acordo sobre as interpretações e consequências dessas diferenças. Para alguns, as  Constituições de  Anderson tendem fortemente para um deísmo que a segunda  Constituição , conhecida como Ahimann Rezom, condena explicitamente ao insistir na sua fidelidade à religião católica, tanto mais que Dermott, assim como a maioria dos primeiros  Antigos , eram católicos irlandeses. . Não se deve esquecer que o autor das Constituições dos Modernos  foi o Reverendo James Anderson, Pastor da Igreja Presbiteriano escocês, e consequentemente ele também era um teísta – não um deísta – e toda vez que ele fala de Deus, ele o faz como o Grande Arquiteto do Universo, isto é, como o Criador. E a tradição da Grande Loja da Inglaterra, até hoje, sempre foi teísta e não deísta. Um dos seus representantes, Alec Mellor, diz no seu Dicionário: “A Maçonaria Regular não é apenas deísta, mas teísta, o que significa que o Deus que reconhece, invoca e ora na loja é o Deus criador, ou, se preferir, um Deus pessoal, não uma entidade vaga, conforme concebida por sistemas metafísicos como o imanentismo ou panteísmo. Nenhum equívoco pode subsistir a este respeito. ”Muito mais direto é o  Livro das Constituições da muito antiga e honrada Fraternidade de Maçons Livres e Aceites, conhecido como dos Antigos, publicado por Dermott em 1756 sob o título de  Encargos e Regulamentos da Sociedade dos Maçons, extraído de Ahiman Rezon :

“Todo o Maçom é obrigado, em virtude do seu título, a acreditar firmemente e adorar fielmente o Deus eterno, bem como os ensinos sagrados que os Dignitários e Pais da Igreja redigiram e publicaram para o uso dos homens sábios; de tal forma que nenhum dos que entendem bem da Arte possa trilhar o caminho irreligioso do miserável libertino ou ser introduzido a seguir os arrogantes professores do ateísmo ou do deísmo”.

No entanto, sempre houve uma certa confusão em torno dos termos teísmo e deísmo. A palavra  teísmo  hoje é usada para significar um sistema ou doutrina que admite a existência de um Deus pessoal, criador e providencial do mundo. Enquanto a palavra  deísmo é parcialmente positiva e parcialmente negativa. O deísta afirma, como o teísta, a existência de um Deus pessoal; mas distingue-se dele por negar alguns ou alguns dos atributos positivos de Deus e, acima de tudo, o fato da revelação divina. Para o deísta, existe apenas religião natural; de modo que o positivo, fundado no fato da revelação, é um mito.

Mas o problema que se coloca hoje não é o da sobrevivência na atual Maçonaria do Grande Arquiteto do Universo que deu origem ao conhecido lema “À Glória do Grande Arquiteto do Universo”, às vezes na sua versão latina “Ad Universi Terrarum Orbis Summi Architecti Gloriam”, com a qual tantos maçons ao redor do mundo continuam iniciando todas as suas atividades, escritos, documentos, revistas, etc. O que é polémico hoje é a crença no Grande Arquiteto do Universo como uma pré-condição para se tornar um Maçom.

No ponto de polémica devemos colocar a  Constituição  do Grande Oriente da França , de 1849, em cujo primeiro artigo foi introduzido o seguinte parágrafo – talvez para provocar uma reaproximação com a Grande Loja da Inglaterra -: «Maçonaria (… ) é baseado na existência de Deus e na imortalidade da alma. Esta posição foi interpretada como uma ruptura com a liberdade de consciência e tolerância introduzida na Maçonaria francesa na primeira metade do século 19 e que deu a certos maçons a possibilidade de serviço militar, em concepções filosóficas mais ou menos inclinadas para o agnosticismo e mesmo, às vezes, para o ateísmo. E, especialmente depois de 1860, ele levantou o protesto de lojas cada vez mais numerosas. Problema semelhante surgiu no Grande Oriente da Bélgica , que terminou, em 1872, com a supressão do Grande Arquiteto do Universo em todos os seus rituais. Pouco depois, o Grande Oriente da França, por sua vez, sob a presidência do pastor protestante Fréderic Desmons, aboliu, em 13 de Setembro de 1877, da sua  Constituição  a obrigação de acreditar em Deus e na imortalidade da alma.

O mais paradoxal é que a Igreja Católica tomou partido ao fazer uma interpretação curiosa do Grande Arquiteto do Universo dos Maçons. E assim nos ensina o Cardeal Ratzinger, chefe do antigo Santo Ofício, hoje denominado Congregação para a Doutrina da Fé, seguindo unicamente a opinião dos bispos alemães afirmaram em 1981, qual é o verdadeiro conceito do Deus dos maçons: “Nos rituais, o conceito de« Grande Arquiteto do Universo »ocupa um lugar central. É, apesar de toda a vontade de se abrir ao religioso como um todo, uma concepção emprestada do deísmo. De acordo com essa concepção, não há conhecimento objetivo de Deus, no sentido do conceito da ideia pessoal de Deus no teísmo. O Grande Arquiteto do Universo é um “algo” neutro, indefinido e aberto a todo entendimento. Cada um pode apresentar aí a sua representação de Deus, o cristão, como o muçulmano, o discípulo de Confúcio como o animista ou o fiel de qualquer religião. Para o Maçom, o “Grande Arquiteto do Universo” não é um ser no sentido de um Deus pessoal; e por este motivo, uma viva sensibilidade religiosa é suficiente para ele reconhecer o Grande Arquiteto do Universo. Esta concepção de um Grande Arquiteto do Universo reinando num distanciamento deísta mina a representação do Deus católico e a resposta que ele dá a um Deus a quem ele chama de Pai e Senhor ”.

Diante da atitude tomada pela Igreja Católica Romana em 1983 e reiterada em 1985, coincidindo no tempo com posições semelhantes por parte das igrejas Metodista, Batista e Anglicana, a Grande Loja Unida da Inglaterra foi considerada obrigada a publicar em Setembro de 1985 um declaração que completa aquela que foi originalmente aprovada em Setembro de 1962 e confirmada em Dezembro de 1981 pela mesma Grande Loja. Nele, após lembrar que a Maçonaria não é uma religião, nem um substituto da religião, ele reitera que “exige dos seus membros fé num Ser Supremo, mas não propõe nenhum sistema de fé como seu”.

A Grande Loja Unida da Inglaterra, na  Declaração Fundamental  de 21 de Junho de 1985, reafirmou que “a Maçonaria não é uma religião, nem é um substituto para a religião.” A Maçonaria “exige dos seus adeptos a crença num Ser Supremo, do qual, entretanto, não oferece a sua própria doutrina de fé”. E adverte que “os vários nomes usados para indicar o Ser Supremo permitem que homens de diferentes crenças se unam em oração (destinados a Deus como cada um deles o concebe), sem que o conteúdo de ditas orações seja causa de discórdia” .

E ele esclarece que “não existe Deus maçônico. O Deus do Maçom é o próprio Deus da religião que ele professou. Os maçons têm um respeito mútuo pelo Ser Supremo, na medida em que Ele permanece Supremo nas suas respectivas religiões. Voltando aos Antigos Deveres, a Declaração reitera que “durante os trabalhos da Loja é proibido discutir religião” e que “ não é missão da Maçonaria tentar unir diferentes credos religiosos ”. A consequência de que “não existe […] um único Deus maçônico” é que a Maçonaria não reivindica ser um “sincretismo” entre diferentes fés, nem uma super religião, uma Verdade absoluta e superior às “verdades” (ou “crenças »Das religiões particulares.

Portanto, na Maçonaria “os seguintes elementos constitutivos da religião não são encontrados: 

a) uma  doutrina teológica ; 

b) a  oferta de sacramentos ;

c) a  promessa de salvação  pelas obras, conhecimentos secretos e vários meios ”.

Com base nisto, a Grande Loja Unida da Inglaterra aceitou ou recusou fortalecer os laços fraternos com as outras comunidades maçônicas aplicando consistentemente esses princípios. Assim, por exemplo, a Declaração de 1929 estabelece, no primeiro ponto: “A crença no Grande Arquiteto do Universo e na sua  vontade revelada serão condições essenciais para que os seus membros sejam admitidos”. Ao romper os laços com a Grande Loja do Uruguai , em 18 de Outubro de 1950, a Grande Loja Unida de Inglaterra endureceu ainda mais a sua postura teísta, declarando: “Todo homem que pede para entrar na Maçonaria  deve professar fé no Ser Supremo, o Deus invisível. e todo poderoso”. Nenhuma excepção é permitida a este respeito. A Maçonaria não é um movimento filosófico aberto a todas as orientações e opiniões. A verdadeira Maçonaria é um  culto para preservar e espalhar a crença na existência de Deus , que tem que ser de uma religião monoteísta. Por medo de ser tachada de deísmo, a Grande Loja inglesa e, por trás dela, as da Escócia e da Irlanda, impuseram aos seus afiliados e iniciados a fé monoteísta às obediências a ela vinculadas.

Concluindo, pode-se dizer que a Maçonaria é religiosa , sem se tornar ela própria uma religião. A Grande Loja Unida de Inglaterra não se propõe a conciliar a fé de indivíduos numa religião única, superior ou semelhante. 

Comentários