CABALA - O QUE SIGNIFICA ABRACADABRA?


Você sabia que abracadabra vem de uma antiga expressão em aramaico, “eu falo enquanto eu crio?” O que isto nos ensina é que a fala está bem mais próxima da espiritualidade do que qualquer ação física.
É a fala que separa o homem de todos os outros reinos. A voz humana é a realidade espiritual dos 99%. As palavras que dizemos são a realidade física do 1%.O que dizemos manifesta o que existe lá “em cima”, aqui em baixo.
Entretanto, existem duas realidades dos 99%. Vou repetir, porque não se fala sobre isso o suficiente: Existem duas realidades dos 99%:
A Árvore da Vida (o sistema puro) e a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal (o sistema impuro). Quando dizemos palavras negativas nos conectamos com o plano impuro e trazemos escuridão para o mundo.
Quando dizemos palavras positivas, trazemos Luz para este mundo. Tudo depende da fala. De uma perspectiva cabalística, por exemplo, todo o caos – é resultado de palavras negativas que lançamos no éter todos os dias de nossas vidas.
É por isso que os cabalistas dizem que as palavras podem matar.
Quando alguém comete violência física contra outra pessoa, pode derramar sangue e machucar o corpo físico do outro. Quando insultamos outra pessoa, porém, e fazemos com que o sangue suba ao seu rosto,.,também derramamos sangue… no nível de alma.
Todavia, vivemos numa realidade invertida onde tudo está de cabeça para baixo. Damos mais importância ao físico do que ao espiritual. Não damos valor à alma e por isso não nos importamos com as palavras que dizemos.
Preciso mencionar neste ponto que isto é fácil de se explicar, mas difícil de compreender e colocar em ação. Entender que palavras e pensamentos têm mais poder que uma ação física? É muito difícil.
No entanto, nossa escolha é continuar dando importância para o físico – e colher todo o sofrimento, dor e doença que vem junto – ou dar importância para o espiritual e ficar atentos às palavras que falamos – e levar este mundo de volta à verdadeira realidade onde não existe escuridão.
Coloque amor nas palavras que disser.
Faça um esforço verdadeiro de colocar os interesses de outra pessoa na frente do seu próprio. Tenha extremo cuidado com os pensamentos e palavras que dirige aos outros. Espiritualmente, este é o caminho para sair desta desordem moral. E não somente da “Babel” atual em que nos encontramos, mas quaisquer catástrofes futuras que estejam se dirigindo a nós.
Kabbalah Center

A EXPRESSÃO MAÇÔNICA: "DO MEIO-DIA À MEIA-NOITE"

       

        


Os rituais de Lojas Simbólicas do REAA trazem, na abertura e no encerramento dos trabalhos  perguntas acerca do horário de trabalho do Maçom. A resposta é de se trabalha do meio-dia,até a meia-noite. Mas o que significa trabalhar do Meio-Dia à Meia-Noite?

        A Maçonaria, na sua passagem de Operativa para Especulativa atraiu intelectuais de diversas correntes de pensamentos, que agregaram elementos místicos e ocultistas tirados da Bíblia, da Cabala, do hermetismo, da Ordem  Rosacruz (Amorc), da astrologia e de antigas religiões e processos iniciáticos. Por conta disso, algumas palavras, expressões e frases têm a sua lógica interpretada de acordo com as doutrinas e o simbolismo das ciências ocultas de que tanto se utilizou a Maçonaria entre os séculos XVIII e XIX.

        No caso “Do Meio-Dia à Meia-Noite”, a citação não deve ser interpretada no seu sentido literal, mas observado o seu sentido simbólico. Ragon, citado por Boucher (2000), aponta para a astrologia a explicação para a significação esotérica dessa expressão.

        A astrologia, segundo ele, da mesma forma em que divide o ano em 12 meses (ou signos), também divide o dia em 12 casas astrais. Cada uma dessas casas possui um caráter determinado. Nesse sistema o Meio-Dia corresponde à 10ª casa. O pôr do Sol está representado pela 7ª casa e a Meia-Noite à 4ª casa.

        Ragon explica que ao Meio-Dia o Sol sai da 10ª casa (a casa dos negócios e da situação social) para voltar à 9ª casa (da religião e do impulso espiritual). Portanto, ao serem abertos os trabalhos de caráter filosófico, abandona-se a 10ª casa, indo para a anterior, que tem a essência da religião e das questões espirituais.cDepois da 9ª casa, o Sol atravessa a 8ª - a da morte, da desagregação do antigo e do nascimento em um plano superior. Os astrólogos deram e esta parte do céu o sentido da ‘INICIAÇÃO’. 

        Depois vem a 7ª casa, a do amor não físico, da dedicação e da vida social. A 6ª casa é a do serviço. A passagem da 7ª casa para a 6ª casa é interpretada como o indício de que o Maçom não espera recompensa da sua ação social, mas que se prepara para encontrar os espinhos da 6ª casa. Daí nasce a criação, síntese da 5ª casa, depois da qual o ciclo termina pela 4ª casa, cujo sentido principal é o fim das coisas.

        Esta fórmula ritualística resume a evolução iniciática, lembrando que cada parte do dia possui uma influência real sobre o ser humano. Na tradição chinesa, a Escola de Zoroastro considera que do “Meio-Dia à Meia-Noite”, quando cresce a influência subjetiva do Sol, é o período mais indicado para o estudo e o desenvolvimento intelectual e espiritual do ser humano. Os estudiosos do Zoroastrismo consideravam o período do Meio-Dia à Meia-Noite propício às coisas do espírito.

        Possivelmente por conta dessa particularidade a Maçonaria resolveu colocar os seus obreiros para, simbolicamente, trabalharem durante esse período.Mas há também a interpretação de que o Meio-Dia é o momento em que há mais luz e a Meia-Noite é o período de maior escuridão.O início dos trabalhos ao Meio-Dia significa a hora em que o Sol encontra-se no Zênite, na plenitude do seu poder luminoso, significando dizer que o homem está capacitado a trabalhar pelos seus semelhantes.

        O encerramento dos trabalhos à Meia-Noite significa dizer a hora em que a luz do dia já não se faz presente, por o Sol estar no Nadir. É a hora em que não se pode mais atuar eficazmente sobre os obreiros.    Gedalge (2000) sugere que é preciso ver nessas horas de trabalho o simbolismo do malho batendo sobre o cinzel, no desbaste da pedra bruta, quando realizamos a árdua tarefa de lapidar os nossos próprios defeitos e imperfeições, procurando melhorar o nosso Templo interior e produzir em abundância sentimentos como a fraternidade, carinho, amor, compreensão, verdade, tolerância, harmonia e desapego às coisas materiais, para podermos distribuí-los não apenas no universo maçônico, mas também no mundo profano, entre nossos filhos, amigos, familiares, colegas de trabalho e vizinhos.

        Não poderemos repartir essas virtudes se não as praticarmos e não as produzirmos em grandes quantidades.Quem pouco produz, pouco tem a oferecer, a repartir. É preciso ser solidário. Por meio desse sentimento, os Maçons se unem a outros Irmãos, com os quais, a cada dia, do Meio-Dia à Meia-Noite, trabalham material e espiritualmente para cavar masmorras aos vícios, construir a paz e erguer Templos de virtudes e de fraternidade.

A IMPORTÂNCIA DA FREQUÊNCIA MAÇÔNICA


Walter Lima M.'.M.'.

Responsabilidade é a qualidade ou condição de responsável. Sabe-se que responsável é aquele que responde pelos próprios atos ou, pelos de outrem.  Responsabilidade moral é a situação de um agente consciente, com relação aos atos que ele pratica voluntariamente. 

Uma das responsabilidades mais importantes de um Maçom é a frequência à Loja. Trata-se de uma responsabilidade que tem amparo legal e, também, moral. 

Frequência é o ato de frequentar. Em física, frequência significa número de vibrações por unidade de tempo. Frequentar uma Loja causa, realmente, vibrações positivas em nós e em nossos Irmãos.

A frequência deve ser observada não somente como uma questão de quorum, ou um problema legal, mas, sobretudo, como a forma mais eficaz para nos conhecermos melhor, uns aos outros, e nos aproximarmos. 

Quando de nossa iniciação, a primeira preleção, feita pelo Venerável Mestre, fala da fidelidade que deve ser exemplificada por uma estrita observância das Constituições, Regimento, Estatutos e demais normas do GOB e da própria Loja. 

Também, nesta preleção, o V.’. M.’. fala da obediência que deve ser provada por uma estrita observância de nossas leis e regulamentos, por uma atenção pronta a todas as convocações, além de uma pronta observância das decisões e resoluções aprovadas em Loja.

As leis e regulamentos falam da necessidade de frequência. As convocações às nossas sessões são, em geral, semanais e uma das importantes resoluções aprovadas é o calendário da Loja, que deve ser observado. O Regulamento Geral da Federação trata da frequência em Loja .Tratam, também, de quando o Maçom se torna irregular por não ter frequência.

Nos altos graus, disposições análogas devem ser observadas se não estiverem previstas em regulamentos próprios. Porém, muito mais importante que leis e regulamentos é o inflexível cumprimento do dever: nossa consciência e nossos compromissos e promessas obrigam-nos à frequência. 

Quando a Loja não abre por falta de quórum, a responsabilidade, definida no princípio, é de todos: não somente dos faltosos ou do Venerável Mestre.Todos nós somos responsáveis pelo bom funcionamento da Loja. Quando algum Obreiro necessita faltar, por justa causa, deve procurar algum Mestre amigo que o substitua, ou avisar a todos, para que todos se responsabilizem pela existência de quorum. Por isso, somos Irmãos fraternos, nos auxiliando uns aos outros. 

Como palavras finais: nós somos construtores (“maçons”, pedreiros) sociais; somos obreiros, cabeças pensantes, pessoas com diferentes formações, opiniões diferentes e, brevemente, seremos mais. Contudo, vivemos numa fraternidade tolerante, respeitamos as ideias, eventualmente, diferentes.

Convergimos em algumas virtudes que adotamos conjuntamente, a exemplo da tolerância e, especialmente, da responsabilidade objeto deste ensaio. A participação responsável de todos fortalece a nossa Loja que busca, insistentemente, a realização do trabalho justo e perfeito de construir nosso templo interior.


,

PALESTRA NA ARLS TEMPLÁRIOS DE LARANJAL, MG


 


        

        Realizei na noite de ontem, 25, a palestra O CAMINHO DA FELICIDADE na ARLS TEMPLÁRIOS DE LARANJAL, em Minas Gerais, cidade de pouco mais de 6.000 habitantes, com uma Loja Maçonica pequena, mas muito ativa, haja vista que esta é a 35a. palestra virtual promovida durante esta pandemia.

        Como sempre acontece, os honorários de minhas palestras são a doação de alimentos ou outros materiais, que ficam para a própria Loja encaminhar para beneficência. De 2003, quando iniciamos este trabalho, até hoje, foram arrecadados mais de 200 toneladas de alimentos, material de higiene e limpeza, agasalhos e cobertores, material de construção, mobiliário, fraldas, etc. 

    Nesta palestra a arrecadação foi de material de higiene e limpeza para ser encaminhada aos desabrigados das enchentes que ocorreram nos últimos dias em Carangola, MG, desabrigando milhares de pessoas. Na foto o fruto da arrecadação das doações encaminhadas pelos irmãos. Ainda virão mais.

    Agradeço ao VM João Batista Moreira Carneiro e ao Ir. André Vale Ladeira da Silveira pelo convite e pela arrecadação, 

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA HISTÓRIA DA MAÇONARIA BRASILEIRA



Para o orador romano Cícero, a história era a "mestra da vida". Com esta expressão, Cícero queria dizer que por meio dos exemplos do passado, dos sofrimentos e sucessos, das tragédias e dos grandes feitos das gerações anteriores, podemos extrair lições para nos orientar no presente, diante dos inúmeros problemas que se apresentam.

No entanto, não valorizamos os exemplos do passado ,porque atualmente o estudo da história não é visto como utilitário e de efeito imediato para a vida, quando deve ser visto de forma pragmática, isto é, ,que ela pode fornecer elementos para ação na vida prática, tais como: compreensão alargada da sociedade e da cultura, perspectiva crítica sobre fenômenos políticos, entendimento das diferenças entre as pessoas, os países e as civilizações e uma série de outras contribuições.

A historia é uma ciência que estuda a vida do homem através do tempo. Ela investiga o que os homens fizeram, pensaram e sentiram enquanto seres sociais.

A História é feita por homens, mulhere, crianças, ricos e pobres, por governantes e governados, por dominantes e dominados, pela guerra e pela paz, por intelectuais e principalmente pelas pessoas comuns, desde os tempos mais remotos.

Ao estudar a história nos deparamos com o que os homens foram e fizeram, e iso nos ajuda a compreender o que podemos ser e fazer.

Assim, a história é a ciência do passado e do presente, mas o estudo do passado e compreensão do presente não acontecem de uma forma perfeita, pois não temos o poder de voltar ao passado e ele não se repete.

A história não se resume à simples repetição dos conhecimentos acumulados. Ela deve servir como instrumento de conscientização dos homens para a tarefa de construir um mundo melhor e  saber a história de uma nação significa resgatar e preservar a tradição daqueles que contribuiram para que chegassemos ao ponto em que nos encontramos.

Assim, também, nós maçons devemos proceder com relação ao estudo de nossa história maçonica, sua gênese, seus primórdios, sua contemporaneidade, sua modernidade e procurar projetar o seu futuro.

Estudar a vida de nossos irmãos que no passado lutaram por um Brasil independente, por uma Maçonaria forte, e que se tornaram heróis da Ordem e da Pátria brasileira, é nossa obrigação. 

O QUE É SER UM VERDADEIRO MAÇOM?

        


        S.`. M.`. ? - Não existe um resposta pronta para esta questão, que no entanto, socraticamente, gera outras tantas perguntas - Sois bom pai e bom chefe de família? Sois um bom esposo? Sois bom filho? Respeitais os vossos filhos e vossa esposa como gostaríeis de serdes respeitado? Ajudais aos outros de forma desinteressada e procurais os vossos irmãos maçons no infortúnio? Alguma vez, fizestes alguma coisa para minimizar o sofrimento de uma viúva ou de um órfão? Procurais realmente, cavar masmorras ao vício? Até mesmo, pagais os vossos impostos como se deve?

        Será que diante da oportunidade para uma aventura com uma linda mulher , ainda que oculta aos olhos dos outros, agirias como um verdadeiro maçom ou  como aquele que disse? “Aqui eu não engano a minha esposa, esta cidade é muito pequena e todos poderiam ficar sabendo. Eu levo a outra para para São Paulo”.

        Será que este pseudo-maçom teria a capacidade de ir a São Paulo, satisfazer o seu  desejo e lá também deixar a sua consciência?  Impossível, pois a consciência é um duro e  implacável juiz de nós mesmos, em alguns casos causa uma dor tão profunda para o qual não existe nenhum remédio.

        Assim, meus  irmãos, pedimos que reflitam sobre seus atos e atitudes. Não estamos  aqui julgando irmãos. O que na verdade gostaríamos de ouvir quando perguntarmos a alguém - S.`. M.`. - é que nos respondesse:- M.`.I.`.C.`.T.`.M.`.R.`.  - porque sou um verdadeiro maçom e não apenas como tal…

        A Maçonaria em seus ensinamentos,  emblemas, símbolos e alegorias sempre está nos conclamando à reflexão. Sejamos um símbolo vivo dessa Ordem que nos dá força para enfrentar um mundo às vezes, confuso e conturbado, onde os verdadeiros valores estão sendo a todo o momento questionados e colocados em dúvida.

,

Rotarianos comemoram o 116º aniversário do Rotary Club.



Em 23 de fevereiro de 1905, em Chicago, o advogado Paul Harris e seus amigos e clientes Gustavus Loehr, Hiram Shorey e Silvester Schiele encontram-se com a idéia de fundar um clube, para ajudar a resolver problemas de sua cidade.

Este foi o humilde começo da primeira organização internacional de serviços humanitários que agora inclui cerca de 1,2 milhão de associados e 36.000 clubes em 220 países e áreas geográficas.

O Rotary é uma rede global de líderes comunitários, amigos e vizinhos que veem um mundo onde as pessoas se unem e entram em ação para causar mudanças duradouras em si mesmas, nas suas comunidades e no mundo todo.

Para resolver problemas reais, é preciso compromisso, visão e pessoas que entram em ação. Com dedicação, energia e inteligência, nossos associados ajudam a humanidade há mais de 116 anos.

Por meio de projetos sustentáveis em diversas áreas, como alfabetização, paz, saúde e recursos hídricos, estamos sempre procurando maneiras de criar um mundo melhor.

O QUE OS ROTARIANOS FAZEM?

Por acreditar em encontrar soluções para muitos problemas mundiais, os mais de 36.000 Rotary Clubs trabalham para:

• Promover a paz
• Combater doenças
• Fornecer água limpa e saneamento
• Cuidar da saúde de mães e filhos
• Apoiar a educação
• Favorecer o desenvolvimento econômico

MISSÃO

A Missão do Rotary International é servir ao próximo, difundir a integridade e promover a boa vontade, paz e compreensão mundial por meio da consolidação de boas relações entre líderes profissionais, empresariais e comunitários.

DECLARAÇÃO DE VISÃO DO ROTARY

Juntos, os Rotarianos veem um mundo onde as pessoas se unem e entram em ação para causar mudanças duradouras em si mesmas, nas suas comunidades e no mundo todo.
Desde que foi criado, o Rotary segue alguns princípios básicos, desenvolvidos para que os Rotários atinjam o Ideal de prestação de Serviços e altos padrões de ética.
O Objetivo do Rotary é estimular e fomentar o Ideal de Servir, como base de todo o empreendimento digno, promovendo e apoiando:

1. O desenvolvimento do Companheirismo como elemento capaz de proporcionar oportunidades de Servir.

2. O Reconhecimento do mérito de toda a ocupação útil e a difusão das normas de ética profissional.

3. A melhoria da Comunidade pela conduta exemplar de cada um na vida pública e privada.

4. A aproximação dos profissionais de todo o mundo, visando a consolidação das boas relações, da cooperação e da Paz entre as Nações.

22 de fevereiro é ou não o Dia Internacional do Maçom?


         

        O Dia Internacional do Maçom em 22 de fevereiro, é uma comemoração internacional, que foi instituída durante a "Reunião Anual dos Grão-Mestres das Grandes Lojas da América do Norte" (Estados Unidos, Canadá e México), reunidas entre 20 de fevereiro e 22 de fevereiro de 1994, em Washington DC, a partir de uma sugestão apresentada pelo Grão-Mestre da Grande Loja Regular de Portugal, Irmão Fernando Paes Coelho Teixeira, que está oficializada entre maçons brasileiros pelo Decreto Nº 3 de 10 de fevereiro de 1995 do Grande Oriente do Brasil.

        A data escolhida é o dia do nascimento de George Washington (22 de fevereiro de 1732), grande maçom, principal artífice da independência dos Estados Unidos da América e o primeiro presidente daquele país.

        SERÁ VERDADE?

        Nos últimos dias e em especial no dia 22 de fevereiro, imagens e textos comemorando o suposto Dia Internacional do Maçom têm circulado pelas redes sociais. Os textos falam que as Grandes Lojas dos EUA e de outros países, reunidos na Conferência dos Grão-Mestres da América do Norte de 1994, aprovaram a escolha da data em homenagem ao nascimento de George Washington.

        Apesar da afirmação, não se viu qualquer Grande Loja dos EUA postando algo em comemoração à data. Não se viu nem mesmo um respeitável irmão gringo mencionando isso em qualquer rede social.

        O que se viu foi alguns norte-americanos, inclusive maçons, comemorando o aniversário de George Washington, mas não o suposto Dia Internacional do Maçom. O que também pesou contra a afirmação foi o fato de que há nos EUA, mais precisamente em Alexandria, na Virgínia, o George Washington Masonic National Memorial, mantido, principalmente, pelas Grandes Lojas norte-americanas, e que tem por objetivo justamente exaltar a imagem maçônica de George Washington. Especificamente no dia 22 de fevereiro, o Memorial estava com entrada franca em homenagem ao aniversário de George Washington. Mas não fizeram qualquer menção a Dia Internacional do Maçom.

        Além disso, uma pesquisa não encontrou qualquer menção à comemoração da data por qualquer Obediência membro da Conferência dos Grão-Mestres da América do Norte, o que leva a crer que não existe o tal Dia Internacional do Maçom.

        Entretanto, recentemente recebemos a informação de que a Grande Loja Legal de Portugal, em 2016, celebrou o “Dia do Maçom” como sendo o dia 20 de fevereiro. A comunicação, que diverge da data celebrada no Brasil em 2 dias, não faz menção ao caráter internacional da data ou mesmo de quando e como surgiu sua adoção. Mas, em compromisso com o princípio maçônico de busca da verdade, cabe aqui esta atualização, na esperança de que novas informações acerca do assunto surjam.

CARTA DO IMPERADOR VESPASIANO (41 DC) PARA SEU FILHO TITO (79 DC)


"Onde o povo prefere pousar seu clunis: numa privada, num banco de escola ou num estádio?"  Hoje, para júbilo e gáudio dos amantes das letras clássicas, divulgo uma carta do imperador Vespasiano a seu filho Tito. (Clunis são nádegas em latim).


22 de junho de 79 d.C. Tito, meu filho, estou morrendo. Logo eu serei
pó e tu, imperador. 
Espero que os deuses te ajudem nesta árdua tarefa,
afastando as tempestades e os inimigos, acalmando os vulcões e os
críticos. De minha parte, só o que posso fazer é dar-te um
conselho: não pare a construção do Colosseum. Em menos de um ano ele
ficará pronto, dando-te muitas alegrias e infinita memória. Alguns
senadores o criticarão, dizendo que deveríamos investir em esgotos e
escolas. Não dê ouvidos a esses poucos. Pensa: onde o povo prefere
pousar seu clunis: numa privada, num banco de escola ou num estádio?
Num estádio, é claro.

Será uma imensa propaganda para ti. Ele ficará no coração de Roma por
omnia saecula saeculorum, e sempre que o olharem dirão: ?Estás vendo
este colosso? Foi Vespasiano quem o começou e Tito quem o inaugurou?.

Outra vantagem do Colosseum: ao erguê-lo, teremos repassado dinheiro
público aos nossos amigos construtores, que tanto nos ajudam nos
momentos de precisão. Moralistas e loucos dirão, que mais certo seria
reformar as velhas arenas. Mas todos sabem que é melhor usar roupas
novas que remendadas. Vel caeco appareat (Até um cego vê isso).
Portanto, deves construir esse estádio em Roma.

Enfim, meu filho, desejo-te sorte e deixo-te uma frase: Ad captandum
vulgus, panem et circenses (Para seduzir o povo, pão e circo).
Esperarei por ti ao lado de Júpiter.

PS: Vespasiano morreu no dia seguinte à carta. Tito inaugurou o
Coliseu  com cem dias de festa. Tanto o pai
quanto o filho foram deificados pelo senado romano.

CAMARA DAS REFLEXÕES - Onde, como e quando surgiu?


    
    Onde, como e quando terá sido inserida na Ordem a Câmara das Reflexões? 
Em nenhum dos rituais do século 18 publicados na Grã-Bretanha e na Alemanha - alguns considerados espúrios, porém autênticos -,se encontra o termo "CÂMARA DAS REFLEXÕES".  Em alguns encontram-se os termos "sala escura", "sala contígua à loja", e também "sala onde o candidato fazia suas reflexões". Mas são raros os documentos em que eles aparecem; e nem podia ser diferente, visto que as lojas maçônicas da época, tanto na Inglaterra, como na Alemanha, funcionavam em alehouses (cervejarias), inns (pousadas) e public houses (tavernas).

        Antes da cerimônia da iniciação (making), os rituais dizem também que o candidato era "entrevistado" antes de ser vendado e conduzido ao interior da sala da loja (lodge room) para ser feito maçom (to be made a fremason), sem maiores particulares. Nada de câmaras, templos, esqueletos, ampulhetas, VITRIOL, foices, punhais, sala dos passos perdidos, igrejices, e outras invencionices. 

        Vale ressaltar que nos sistemas maçônicos inglês e norte-americano não se fala nada sobre isso, pelo menos nos graus simbólicos.

O ÁGUIA E O FALCÃO - Voem juntos, mas jamais amarrados

        
        Morei em Marabá, no Pará, por cerca de dois anos, quando dei consultoria ao Hospital Celina Gonçalves. É uma região com diversos tribos indígenas e fiz amizade com alguns indios, cuja sabedoria passei a admirar. 

        Um idoso Kaiowa me contou uma história que merece ser guardada na memória. Um dos guerreiros mais valentes da tribo, de mãos dadas com a filha do cacique, vem até o feiticeiro da tribo e lhe diz:- Estamos apaixonados e vamos nos casar. O senhor pode nos dar um talismã, ou fazer um feitiço, para a gente nunca se separe. O velho feiticeiro diz:- Posso sim, mas é muito difícil. Se vocês estiverem dispostos, voce - diz ao rapaz - vá até aquela serra, escale do lado norte e traga viva a águia mais bela e vigorosa que encontrar. E para a moça: - escale a montanha do lado sul e traga, vivo, o falcão mais aguerrido e forte que conseguir. 

         Os jovens aceitaram a incumbência e cumpriram a missão. No dia marcado apresentam ao feiticeiro as formosas aves, cada uma dentro de um saco. - Agora - diz o ancião - amarrem as patas das aves com essas tiras e soltem nas para que possam voar. O guerreiro e a jovem fizeram o que lhes foi pedido e soltaram as aves que no entanto não conseguiram voar, apenas saltavam pelo terreno. Pouco depois, irritadas, começaram a se bicar e a se agredir. 

         - Este é meu conselho. Vocês são como a águia e o falcão, belos, jovens, vigorosos. Se estiverem amarrados, ainda que por amor, só poderão se arrastarão e com o tempo passarão a se machucar. Se quiserem que o amor de vocês perdure, voem juntos, mas jamais amarrados. 

         No meu livro "As lições da Arca de Noé para um relacionamento feliz" se encontram muitos outros conselhos para que os relacionamentos amorosos possam se manter com afeto e alegria. Você pode adquirir aqui mesmo pelo blog.

SEMENTES DE CABALÁ - A FELICIDADE



Muitas pessoas acham aqueles que conseguem obter o que querem da vida são felizes – e a partir dessa crença, concluímos que as pessoas com poder, dinheiro ou influência devem viver uma vida maravilhosa!
No entanto, se olharmos mais de perto, poderemos constatar que geralmente as pessoas mais ricas podem estar perdidas, amarguradas e insatisfeitas.
Esta é uma indicação de como nossa perspectiva sobre a felicidade é realmente superficial. Só porque uma pessoa possui muitos bens físicos, isso não significa que ela tenha felicidade permanente.
Se você pensar sobre isso, torna-se claro que quase todos os prazeres neste mundo físico são temporários.
Enquanto dinheiro pode nos comprar uma casa, é o amor que uma família compartilha que transforma essa casa em lar.
É compartilhar nosso tempo e nosso carinho, e não nosso dinheiro, que cria amizades duradouras ao invés de amizades superficiais.
Por que isso?
Porque quando compartilhamos e colocamos nossa energia em algo, nos comportamos como a Luz, e dessa forma podemos nos conectar com a Luz.


Existe uma lei espiritual que explica que a Luz só pode entrar aonde existe similaridade de forma. Nenhuma roupa de grife pode despertar em nós o senso de autoestima – que podemos atingir ao estarmos presentes para alguém que precise de nós.
Comece a mudar o foco do seu desejo das coisas que tenham natureza física para coisas de natureza espiritual.
O mundo físico sempre fornecerá plenitude de curta duração; mas é quando agimos mais como o Criador que encontramos a felicidade duradoura que realmente desejamos.
Por: Yehuda Berg

“Seu nome não será mais Jacob, mas Israel''


 Após sua luta com o adversário sem nome, foi dito a Jacob: “
Seu nome não será mais Jacob,  mas Israel, pois lutaste com os seres Divinos e humanos e prevaleceste”. (Génesis 32:29) Ou “Seu nome não será mais chamado de Jacob, mas de Israel. Te tornaste grande , diante de Deus e do homem. 

Essa mudança de nome duas vezes.  Após o encontro com Esaú e o episódio de Dina e Siquém, Deus disse a Jacob que fosse a Beth El. Depois lemos: “Depois que Jacob voltou de Paddan Aram, Deus apareceu novamente e o abençoou.  Deus lhe disse: “Teu nome é Jacob, mas não serás mais chamado Jacob;  teu nome será Israel.  Por isso o chamou Israel”. (Génesis 35: 9-10)

Observemos que esse não é um ajuste de um nome existente pela mudança ou adição de uma letra, como quando Deus mudou o nome de Abram para Abraham ou Sarai para Sara.  É um nome inteiramente novo, como se quisesse sinalizar que o que representa é uma completa mudança de caráter.  E como vimos, a mudança de nome não aconteceu uma vez, mas duas. E este é o quebra-cabeças dos quebra-cabeças – tendo dito duas vezes que seu nome não será mais Jacob, a Torah continua a chamá-lo de Jacob. O próprio Deus faz isso. Nós também, toda vez que oramos ao Deus de Abraham, Isaac e Jacob.  Porque isso, quando a Torah nos diz duas vezes que seu nome não será mais Jacob?

Radak sugere que “seu nome não será mais chamado de Jacob” significa “seu nome não será mais  chamado, apenas,   de Jacob”. Também terás outro nome.  Isso é engenhoso, mas dificilmente seria o sentido claro do verso.  Sforno diz: “Na era messiânica, seu nome não será mais chamado de Jacob”. Isso também é difícil.  O tempo futuro, como usado na Torah, significa o futuro próximo, não o distante, a menos que seja explicitamente especificado.

Este é apenas um mistério entre muitos quando se trata do caráter de Jacob e de seu relacionamento com seu irmão Esaú.  Tão difícil é entender as histórias sobre eles que, para entendê-las, elas foram revestidas na tradição judaica com uma espessa camada de Midrash que torna Essav quase perfeitamente mau e Jacob quase perfeitamente justo.  Existe uma clara necessidade desse Midrash, para fins educacionais.  Essav e Jacob, como retratados na Torah, são sutis e complexos demais para serem objeto de simples lições morais para as mentes jovens.  Então o Midrash nos dá um mundo de preto e branco, como Maharatz Chajes explicou.  [1]

O próprio texto bíblico, porém, é muito mais sutil.  Não afirma que Esaú é ruim e Jacob é bom. Pelo contrário, mostra que são dois tipos diferentes de ser humano.  O contraste entre eles é como o de Nietzsche entre as figuras gregas de Apolo e Dionísio.  Apolo representa razão, lógica, ordem, autocontrole;  Dionísio significa emoção, paixão, natureza, impetuosidade e caos.  As culturas apolonianas valorizam contenção e modéstia;  os dionisíacos buscam ostentação e excesso.  Jacob é apolíneo, Essav, dionisíaco.

Ou pode ser que Esaú represente o Caçador, considerado um herói em muitas culturas antigas, mas não na Torah, que representa a ética agrária e pastoral de agricultores e pastores.  Com a transição de caçador-colector para agricultor e pastor, o Caçador não é mais um herói e, em vez disso, é visto como uma figura de violência, especialmente quando combinada, como no caso de Esaú, com um temperamento mercurial.  Não é tanto que Esaú é mau e Jacob é bom, mas que Esaú representa o mundo que era, enquanto Jacob representa, embora às vezes hesitante e com medo, um novo mundo prestes a ser criado, cuja espiritualidade seria radicalmente diferente, nova. e desafiadora.

O fato de Jacob e Esaú serem gémeos é fundamental.  O relacionamento deles é um dos casos clássicos de rivalidade entre irmãos.  [2] A chave para entender a história deles é o que René Girard chamou de desejo mimético: o desejo de ter o que os outros têm, porque eles têm.  Em última análise, este é o desejo de ser outra pessoa.

É isso que o nome Jacob significa.  É o nome que ele adquiriu porque nasceu segurando o calcanhar de seu irmão Essav.  Essa era consistentemente sua postura durante os principais eventos de sua infância.  Ele comprou o direito de nascença de seu irmão.  Ele usava as roupas de seu irmão.  A pedido de sua mãe, ele recebeu a bênção de seu irmão.  Quando perguntado pelo pai: “Quem é você, meu filho?” Ele respondeu: “Eu sou Esaú, seu primogénito.”

Jacob era o homem que queria ser Esaú.  Por quê?  Porque Esaú tinha uma coisa que ele não tinha: o amor de seu pai.  “Isaac, que gostava de caça selvagem, amava Esaú, mas Rebeca amava Jacob.”

Tudo isso mudou na grande luta entre Jacob e o desconhecido estrangeiro.  Nossos Sábios nos ensinam que esse estrangeiro era um anjo disfarçado.  Depois que eles brigam, ele diz a Jacob que seu nome agora seria Israel.  A explicação declarada para esse nome é: “porque você lutou com Deus e com o homem e prevaleceu”. Também ressoa com outros dois sentidos.  Sar significa “príncipe, realeza”.  Yashar  significa “vertical”. Ambos estão em nítido contraste com o nome “Jacob”, alguém que “se agarra ao calcanhar de seu irmão”.

Como então devemos entender o que, primeiro o estrangeiro, depois Deus, disse a Jacob?  Não como um declaração, mas como um pedido, um desafio, um convite.  Leia não como: “Tu não serás mais chamado de Jacob, mas de Israel. ” Em vez disso, leia como: “Deixa que teu nome não seja mais Jacob, mas Israel”, ou seja, “Aja de maneira que seja assim que as pessoas te chamem.” Seja um príncipe.  Seja realeza.  Fique de pé.  Seja você mesmo.  Não anseie por ser outra pessoa.  Isso acabaria sendo um desafio não apenas naquele momento, mas muitas vezes no futuro judaico.

Muitas vezes, os judeus se contentam em ser eles mesmos.  Mas, de tempos em tempos, eles entram em contacto com uma civilização cuja sofisticação intelectual, cultural e até espiritual era inegável. Isso os fez sentir-se constrangidos, inferiores, como um aldeão que chega a uma cidade pela primeira vez.  Os judeus caíram na condição de Jacob.  Eles queriam ser outra pessoa.

A primeira vez que ouvimos isso é nas palavras do profeta Ezequiel: “Vós dizeis: ‘Queremos ser como as nações, como os povos do mundo, que servem madeira e pedra’.  Mas o que tu tens em mente nunca acontecerá” (Ez. 20:32).  Na Babilónia, o povo encontrou um império impressionante, cujo sucesso militar e económico contrastava radicalmente com sua própria condição de exílio e derrota.  Alguns queriam deixar de ser judeus e se tornar outra pessoa, qualquer outra pessoa.

Ouvimos novamente nos dias dos gregos. Alguns judeus tornaram-se helenizados. Reconhecemos isso em nomes de sumos sacerdotes, como Jason e Menelau. A batalha contra isso é a história de Chanukah. Algo semelhante aconteceu nos dias de Roma.  Josefo foi um dos que foram para o outro lado, embora ele permanecesse defensor do judaísmo.

Aconteceu novamente durante o Iluminismo.  Os judeus se apaixonaram pela cultura europeia.  Com filósofos como Kant e Hegel, poetas como Goethe e Schiller e músicos como Mozart e Beethoven.   Alguns foram capazes de integrar isso à fidelidade ao judaísmo como credo e ação – figuras como os Rabinos Samson Raphael Hirsch e Nehemiah Nobel.   Mas alguns não.  Eles cederam.  Eles mudaram de nome.  Eles esconderam sua identidade.  Nenhum de nós tem o direito de criticar o que eles fizeram.  O impacto combinado de desafio intelectual, mudança social e anti-semitismo incendiário foi imenso.  No entanto, essa foi uma resposta de Jacob, não de Israel.

Isso está acontecendo hoje em grandes áreas do mundo judaico.  Os judeus superaram.  O judaísmo, com algumas excepções notáveis, foi insuficiente.  Actualmente, existem judeus no topo de quase todos os campos do empreendimento humano, mas muitos abandonaram sua herança religiosa ou são indiferentes a ela.  Para eles, ser judeu é uma etnia esbelta, magra demais para ser transmitida para o futuro, oca demais para inspirar.

Esperamos tanto tempo pelo que temos hoje e que nunca tivemos simultaneamente em toda a história judaica: independência e soberania no estado de Israel, liberdade e igualdade na diáspora.  Quase tudo pelo que cem gerações de nossos ancestrais oraram nos foi dado.  Nós realmente (na frase de Lin-Manuel Miranda) jogaremos fora tudo isso?  Seremos Israel?  Ou mostraremos, para nossa vergonha, que ainda não ultrapassamos o nome de Jacob, a pessoa que queria ser outra pessoa?  Jacob muitas vezes estava com medo porque não tinha certeza de quem ele queria ser, ele ou seu irmão.  Foi por isso que Deus lhe disse: “Não seja teu nome Jacob, mas Israel.” Quando tens medo e não tem certeza de quem és, tu és Jacob.  Quando és forte em ti mesmo, como te assumes, tu és Israel.

O fato de a Torah e a tradição ainda usarem a palavra Jacob, não apenas Israel, nos diz que o problema não desapareceu.  Jacob parece ter lutado com isso ao longo de sua vida, e ainda o fazemos hoje.  É preciso coragem para ser diferente, uma minoria, contra-cultural.  É fácil viver o momento como Esaú ou “ser como os povos do mundo”, como disse Ezequiel.

Eu acredito que o desafio lançado pelo anjo ainda ecoa hoje.  Nós somos Jacob, envergonhados por quem somos?  Ou somos Israel, com a coragem de ficar de pé e andar alto no caminho da fé?

Texto original “No Longer Shall You Be Called Jacob” por Rabino Yonathan Sacks.

O Obelisco Negro de Salmaneser III — Retrato de um rei israelita



 

Uma das mais excitantes descobertas já feitas em arqueologia bíblica foi uma enorme pedra negra extraída de um buraco cavado na antiga cidade assíria de Calah (moderna Ninrode) em 1845. Esta pedra, porém, quase não foi desenterrada. O arqueólogo inglês Henry Layard havia sido aconselhado por seus trabalhadores a desistir e fechar o buraco. Era inverno, o chão estava extremamente frio e duro, e o difícil trabalho de cavar valas para descobrir artefatos havia provado ser inútil. Layard não queria desistir, mas se comprometeu a pedir a seus homens que trabalhassem por somente mais um dia.

Eles não tiveram que esperar tanto! Quase imediatamente depois que os homens reassumiram o trabalho eles bateram numa enorme pedra, que agora sabemos ser um dos mais importantes documentos assírios relacionados ao Antigo Testamento. A pedra era um bloco de calcário polido com quatro lados (obelisco) medindo 2 metros. Em cada lado do obelisco estavam esculpidos cinco registros de esculturas em relevo demonstrando várias cenas de tributos sendo trazidos à corte assíria. Além disso, acima e abaixo dos painéis em todos os lados havia quase 200 linhas de texto cuneiforme. Logo que o texto cuneiforme foi traduzido descobriu-se que ele catalogava 31 campanhas militares do monarca assírio Salmaneser III.

As esculturas em relevo detalhadas de tributo e pagadores de tributos mostravam belamente muitos estilos diferentes de roupa, artigos caros e até animais exóticos para o zoológico assírio. Todavia, a grande surpresa foi que as linhas acima de um registro que mostrava uma figura de joelhos diante do rei da Assíria foi traduzida: Tributo de Jeú, filho de Onri. Prata, ouro, vasos de prata, taças de ouro, cálices de ouro, caixas com ouro, recipientes, cetros para a mão do rei [e] dardos, [Salmaneser] recebeu dele. Aqui, pela primeira vez em qualquer artefato arqueológico, estava um retrato de um dos reis de Israel!

De acordo com a Bíblia (2 Rs 9-10; 2 Cr 22.7-9), Jeú, um comandante no exército do rei Jorão, foi “escolhido pelo Senhor” para suceder o trono israelita. Instruído pelo profeta Eliseu para matar Jorão, ele tornou-se o governante de Israel de 841-814 a.C. Ele serviu como instrumento final de Deus contra a casa do ímpio rei Acabe (incluindo a infame rainha Jezabel), e erradicou da terra o culto idólatra a Baal. No relato bíblico, porém, não há menção do rei Jeú pagando tributo à Assíria como descrito no obelisco. A Bíblia fala realmente que Jeú, quase ao final de seus 28 anos de reinado, foi relapso na responsabilidade real de manter a lei de Deus (2 Rs 10.31) e, ao invés disso, seguiu novamente o culto henoteísta instituído por Jeroboão (veja 1 Rs 12.28-29).

Por causa disso, o Senhor removeu a proteção de Israel e inimigos estrangeiros começaram a invadir e conquistar partes da terra (2 Rs 10.32-33). A fraqueza de Israel neste ponto pode ter influenciado Jeú a buscar a proteção da Assíria. Uma vez que a hegemonia assíria foi imposta, Israel teria sido sujeito a pagar tributo (cf. 2 Rs 17.3). Se foi este o caso, o obelisco preenche uma parte que faltava da história não incluída no texto bíblico.

Fonte: Livro: Arqueologia Bíblia - Autor: Randall Price

SEMENTES DE CABALA: Luz Interior e Luz Circundante



Dentro do corpo humano físico, encontramos dois fatores motivacionais distintos, chamados a Luz Interior e a Luz Circundante.
A Luz Interior é o elemento de Luz contido dentro dos seres humanos quando descem a esse mundo no nascimento, e acompanha o indivíduo como uma ajuda na busca da elevação espiritual.
A Luz Circundante é o nível de consciência que o indivíduo faz por merecer durante sua vida, através das boas ações; ela é adquirida gradualmente, e não está presente no nascimento.
O nível de consciência da Luz Circundante é ilimitado, dependendo de quão bem o indivíduo é capaz de subordinar o corpo físico à Luz.
O grau em que uma pessoa é limitada pelos constrangimentos de tempo, espaço e movimento – as leis físicas do universo – depende dos níveis em que ela controla o desejo do corpo de receber para si mesmo (a má inclinação).
Gradualmente, a pessoa adquire a Luz Circundante e sobe a escada da espiritualidade.
Fonte: Likutei Tora

PSICOLOGIA X DIREITO - Sei como inverter a culpa


Numa biblioteca de faculdade lotada de estudantes, um rapaz vendo um único lugar vago ao lado de uma bela jovem se aproxima e pede delicadamente: -posso me sentar ao seu lado. 

A moça rispidamente responde:- eu não quero passar a noite com você. Todos os presentes olham para o rapaz que constrangido se afasta e procura um canto distante para se sentar. Pouco depois a jovem chega e sorrindo diz:- Me desculpe, eu estudo psicologia e só estava fazendo um teste, Você ficou constrangido não foi?


O rapaz levanta a voz e grita:- Quinhentos reais para passar a noite com você! Isso é um roubo! A moça fica sem chão e o rapaz, sorrindo, diz baixinho:- Eu estudo Direito. Sei como inverter a culpa.

O NOVO GERENTE - Pense antes de falar



 Uma empresa entendeu que estava na hora de mudar o estilo de gestão e contratou um novo gerente geral. Este veio determinado a agitar as bases e tornar a empresa mais produtiva. 

No primeiro dia, acompanhado dos principais assessores, fez uma inspeção em toda a empresa. No armazém todos estavam trabalhando, mas um rapaz estava encostado na parede com as mãos no bolso. 

 Vendo uma boa oportunidade de demonstrar a sua nova filosofia de trabalho, o novo gerente perguntou ao rapaz: - Quanto é que você ganha por mês? - Trezentos reais, por quê? - respondeu o rapaz sem saber do que se tratava. O administrador tirou os R$ 300,00 do bolso e os deu ao rapaz, dizendo: - Aqui está o seu salário deste mês. Agora desapareça e não volte aqui nunca mais! 

O rapaz guardou o dinheiro e saiu conforme as ordens recebidas. O gerente então, enchendo o peito, pergunta ao grupo de operários: - Algum de vocês sabe o que este tipo fazia aqui? - Veio entregar uma pizza e estava aguardando o troco. Moral da história: "Tem pessoas que desejam tanto mandar, que se esquecem de pensar"

O BEM ESTAR DE UM É LIGADO AO BEM ESTAR DE TODOS

 

Quando eu morava em Mato Grosso do Sul ouvi uma historia que certamente se aplica a atual pandemia. Um fazendeiro de Coxim ganhava por anos seguidos o prêmio na exposição agropecuária por produzir o melhor milho da região.

O repórter de uma rádio local ficou sabendo que o fazendeiro compartilhava as sementes de seu excelente milho com os vizinhos, seus competidores na exposição, e curioso foi lhe perguntar se isso era verdade. Ouviu que sim.


- Você deve saber, - disse o fazendeiro, - que o pólen do milho maduro é espalhado pelo vento por todos os campos vizinhos. Isso ajuda a manter a qualidade da minha lavoura, porque se os vizinhos plantarem milho de qualidade inferior, o pólen deles vai degradar a minha produção. Assim, para que eu possa produzir milho bom, todos os meus vizinhos têm de produzir um milho bom também.

A mesma coisa vale para o atual momento. Para que possamos manter a nossa saúde, todos que vivem próximos devem manter a sua saúde também, quer física, quer econômica. Eu não consigo ser feliz em uma comunidade infeliz.

O bem estar de cada um está ligado ao bem estar de todos.

Assim, doar o que for possível para quem possui menos recursos, proteger-se com a máscara para evitar contaminar os outros, manter o bom humor e a calma para não espalhar angústia e desespero irão contribuir para que este momento passe mais depressa e possamos reencontrar o prazer e a alegria na vida.

OS COLLEGIA FABRORUM E A MAÇONARIA

Origem dos Collegiuns
 
As fratrias gregas evoluíram para um tipo muito peculiar de organização, do qual viria a sair, em certo momento histórico, os chamados Collegia Fabrorum romanos e, mais tarde as associações obreiras conhecidas como Corporações de Ofício, ou guildas.


Isso ocorreu como resultado de um longo processo de adaptação à realidade histórica, cuja descrição não cabe nos limites estreitos deste trabalho, mas é importante ressaltar que a história da sociedade humana e das ações que se promovem para edificá-la não estaria completa sem uma alusão, ainda que de passagem, por esse importante tipo de organização que o mundo antigo produziu. 
Essas duas fontes de influência da Maçonaria tiveram, portanto, uma origem comum e não é estranha a similitude de objetivos e a identificação cultural que muitos historiadores enxergam entre as duas instituições.

  
Praticamente, a maioria das instituições gregas desse tipoeram organizadas em torno do culto de um deus ou de um herói local. A religião era assunto do Estado e assumia sempre a forma política da cidade-estado que a professava. E esta refletia a política da classe dominante, ou seja, tinha como núcleo o interesse das fratrias que estavam na base dessas sociedades.


Consequentemente, os cultos eram organizados em torno de seus deuses favoritos e heróis pessoais, os quais, de algum modo estavam conectados com a origem dessas famílias. Assim se justifica a moldura lendária que geralmente envolviam esses cultos.


Um desses exemplos é o sempre citado Mistérios Órficos, nos quais se cultuava o deus Bacco. Registros da realização desses rituais em várias cidades gregas já são encontrados em obras do século II a.C, mostrando a antiguidade dessas manifestações culturais,Politica e Religião eram atividades estreitamente ligadas na vida das antigas cidades. Dada a forma colegiada em que os cultos eram praticados, entende-se porque também o exercício da política acabou se aproveitando dessa formulação.

Mas não só a política e a religião. As pessoas formavam colegiados para defender interesses comuns, para partilhar idéias e crenças, para defesa própria e quaisquer outros assuntos que demandasse organização e participação coletiva. Nessa conformação podemos identificar também a origem dos partidos políticos e grupos de pressão.
 
Há registros da existência desses colegiados já na época de Péricles, e segundo se infere desses mesmos registros, eles não mantinham uma convivência pacífica com o famoso líder ateniense. Isso é tão verdadeiro que ele emitiu decreto regulamentando a forma e o número dessas fratrias, disciplinando a legislação que já lhes deixara Sólon. Plutarco relata que em 404 a.C. após a vitória de Esparta sobre Atenas, na Guerra do Peloponeso, um grupo formado por essas fratrias derrubou o regime democrático de Atenas e governou a cidade durante um ano. Esse episódio ficou conhecido como o governo dos Trinta Tiranos.


Também no Egito existiram colegiados com essa característica. Eles se tornaram comuns especialmente entre os adoradores de Ísis. Apuleio de Madaura, historiador do primeiro século antes de Cristo, menciona a existência dessas organizações em datas anteriores ao ano 79 a.C., dando a entender que elas já existiam há vários séculos. Esse historiador refere-se também à organizações semelhantes, formadas por trabalhadores da construção civil e metalúrgicos, sendo encontrado registros da existência dessas instituições em vários territórios de colonização helenica, especialmente na Ásia Menor. Tomando a forma, ora de grupos religiosos, ora de partidos políticos, clubes funerários, grupos culturais, associações profissionais e afins, essas organizações dominaram um vasto aspecto da vida cultural das antigas sociedades.

Os collegiuns romanos
 
Mas foi durante o Império Romano que essas organizações assumiram sua maior importância. Na história de Roma encontram-se registros da existência de entidades semelhantes desde o tempo da monarquia. A tradição sustenta que foi um dos primeiros reis de Roma, o lendário Numa Pompílio, o fundador da primeira organização com o nome de Collégia Fabrorum. Dizia-se que nas famosas Doze Tábuas, primeira legislação escrita que Roma teve, já havia menção a essas organizações.


Mas mesmo em Roma parece que a vida dessas associações, especialmente as que se dedicavam ao culto religioso, não se desenvolveu de forma muito pacífica. Vários registros históricos dão conta de sucessivos conflitos entre esses grupos e as autoridades, resultando, em diversas oportunidades, em leis restritivas, ora proibindo, ora regulando suas atividades.


Na época de Nero, por exemplo, eram tantas as organizações desse tipo que ele foi obrigado a emitir uma série de regulamentos para controlar a atividade delas nas várias cidades do Império. Nessa época elas já haviam assumido o formato e nome pelo qual ficou conhecido, o de Collegia Fabrorum.
Os imperadores romanos usavam a legislação reguladora de atividades religiosas, sociais, profissionais e outras para controle do Estado. Assim, a legislação que regia a vida de um Collegium era bastante severa. Seus membros só podiam ser admitidos por hereditariedade. Um rígido controle de mudança de um colegiado para outro era mantido.


Licenças de trabalho eram controladas pelo Estado através dessas organizações. Dessa forma o governo exercia o monopólio de toda a atividade econômica no Império através desses colegiados. Como essas atividades envolviam principalmente  o comércio, a indústria, a prestação de serviços,  as forças armadas e política, os quatro grandes pilares do Estado, pode-se dizer que o Império Romano era uma verdadeira ditadura, rigidamente controlada por uma enorme máquina burocrática da qual nenhum cidadão lograva escapar


Mas mesmo sob a rígida disciplina imposta pelas autoridades é certo que organizações clandestinas, formadas para vários propósitos proibidos pela lei existiam em todos os territórios do Império. A maioria delas era composta por seitas religiosas secretas e proibidas, que causavam muita dificuldade para as autoridades. Atas de tribunais que resistiram ao tempo registram vários julgamentos e sentenças de membros desses colegiados ilegais, os quais eram punidos com pesadas multas, e muitas vezes pagavam com vários anos na masmorra pela sua ousadia.


Um recenseamento feito durante o governo de Marco Aurélio revelou a existência de mais de duzentos e cinqüenta organizações desse tipo, licenciadas em cerca de setenta e cinco cidades do Império. Só na cidade de Roma, cerca de oitenta tipos de profissão tinham seus estatutos e regulamentos registrados e reconhecidos por lei. Acredita-se, porém, que existiam muito mais, mas como se tratavam de organizações consideradas plebéias, a maioria dos escritores – patrícios por tradição - pouco se ocuparam delas, o que nos deixa com pouca informação a respeito.


Isso era normal entre os escritores da antiguidade e também da Idade Média. Poucos se aventuraram a escrever sobre assuntos populares. A vida social do homem comum era de somenos interesse para eles, de maneira que a literatura desses tempos, e até a Idade Moderna, sempre versou mais sobre a vida da nobreza, com seus lordes, cavaleiros, reis e príncipes, descrevendo suas venturas e desventuras, como se só interessasse a vida dessa classe da sociedade. Essa é a razão de encontrarmos tão poucas referências às classes trabalhadoras e suas organizações nos compêndios de História antiga.   
 
A estrutura dos Collegiuns
 
A maioria desses colegiados, em princípio, eram fratrias organizadas com o propósito de garantir sepultura digna para os ancestrais. Daí o fato de o direito de propriedade, em Roma, evoluir a partir da luta do clã pelo direito de manter a posse dos seus lugares sagrados, ou seja, o local de sepultura dos antepassados. Essas associações eram conhecidas pelo nome popular de teuinorum collegia, ou grupos funerários. Cada um desenvolvia suas próprias preces e rituais, praticados nos templos familiares, onde se realizavam as exéquias dos mortos e se construía para ele uma rica história de vida, que não raramente se transformava em lenda e objeto de culto do grupo.


Com o tempo, muitos desses grupos contruiam um colum-barium, que era uma espécie de galeria de antepassados famosos, ou mausoléu, no qual se prestava o culto a eles como deuses lares, os famosos manes.   


Diferente dos egípcios, que acreditavam na morte como uma forma de ascender de posição social, desde que conquistassem o beneplácito dos deuses e conseguissem vencer a terrível jornada pela terra inóspita da Tuat, para os romanos a morte era um evento terrivelmente constrangedor, principalmente se o indivíduo fosse pobre e não pudesse ter uma sepultura digna. A religião romana ensinava que uma pessoa sem sepultura digna se tornava uma alma errante, sem paz nem descanso. Isso porque a ventura da alma dependia estreitamente do culto que seus descendentes viessem a lhe prestar. Assim nasceu entre os romanos a tradição de construir monumentos funerários suntuosos, próprios para a adoração do indivíduo depois de morto. Quem não era rico e não podia arcar com os custos de sepulturas suntuosas juntava-se a um colegiado funerário para, pelo menos, garantir para si mesmo um túmulo decente.
 
É difícil para um homem de mentalidade moderna aquilatar a importância dessas tradições para os povos da antiguidade. Mas elas estavam no cerne da própria estrutura dos Estados antigos, regulamentadas em leis, sustentadas pelo próprio aparato de segurança. Mas não deve soar estranho ao maçom que conhece bem a liturgia dos ritos maçônicos, pois essa vinculação com os cultos mortuários é uma intercorrência muito comum na prática maçônica. 


É fato histórico bastante conhecido que os primeiros agrupamentos cristãos não tinham a simpatia das autoridades romanas. Que suas reuniões e os locais onde se agrupavam para praticar seu credo muitas vezes eram varejadas pelas autoridades policiais e seus praticantes presos e até condenados á morte.
Assim, é bem possível que muitos grupos cristãos tenham sido organizados como sociedades funerárias para fugir à repressão oficial. Destarte, muitas igrejas cristãs tiveram origem nessas fratrias funerárias, pois de outra forma elas seriam perseguidas.


Mas nem todos os Collegia Fabrorum se ocupavam de assuntos religiosos. A grande maioria era organizada para tratar de assuntos profanos. Arte, profissões, interesses comerciais, políticos, sociais, tudo era motivo para a fundação de um collegium. Era o que podemos chamar hoje de ONGs, com seus estatutos próprios e suas regras de participação. Cada tipo de profissão tinha a sua. Desde os pescadores, aos advogados, padeiros, cozinheiros etc.
 
No que respeita à Maçonaria é importante registrar que os pedreiros e arquitetos tinhma também os seus collegiuns e gozavam de especiais favores e privilégios, pois se tratava de profissão que muito interessava ao Estado. O grande orador Cícero, em um de seus discursos, se refere à honorabilidade da arte da arquitetura e à nobreza dos seus praticantes.


Os Collegia Fabrorum eram entidades com estruturas administrativas bem definidas e organizadas. Praticamente todas as organizações desse tipo tinham a sua cúria. Nela havia um magistrado, ou curador (praesidis), o qual era eleito entre os membros do colegiado conforme os critérios definidos pelos seus estatutos. Geralmente, dois oficiais também eram eleitos na mesma ocasião para servirem como secretário e tesoureiro    ( questores e decuriões).


As leis que regiam o colegiado eram votadas pelos membros de cada sociedade, mas tinham que se conformar à legislação imperial específica que regia esse tipo de sociedade. Semelhante ao que rege hoje o Código Civil, com respeito á constituição e administração de uma ONG, assim também eram os estatutos imperiais que regulavam a vida dessas sociedades.


Os membros desses colegiados pagavam uma taxa que servia para a constituição de um fundo comum. Esse fundo servia para pagar as taxas exigidas pelo Estado, as despesas da sociedade com reuniões, banquetes e eventuais obras sociais que a organização viesse a atender. Havia também o atendimento das necessidades pessoais dos membros do grupo, quando dela necessitavam, em face de um acidente, uma demanda jurídica, ou outro problema qualquer que demandasse a ajuda dos membros da organização.


Uma fonte de financiamento dos Collegia Fabrorum era o mecenato. Raro era o collegium que não tinha um patrono. Geralmente era uma pessoa de altas posses, homem ou mulher, que ofertava generosas somas de dinheiro em troca do poder de decisão sobre as atividades do grupo. Isso lhes granjeava poder político e não era raro encontrar um político à testa de um collegium.


Em sua estrutura organizacional, os Collegia Fabrorum copiava, tanto quanto era possível, a organização hierárquica existente na própria sociedade romana. Havia muitos graus de subordinação na escala hierárquica dos Collegia, que admitia tanto pessoas livres como escravas, desde que seus senhores dessem o seu consentimento para que participarem da organização.


Não raro esses collegiuns desenvolviam seus próprios rituais de iniciação, transmissão de ensinamentos e elevação de posição hierárquica dentro do grupo. Esses rituais envolviam sempre elementos religiosos e apelos á tradição das famílias que faziam parte da organização.
 
Os Collegia Fabrorum e a Maçonaria
 
Nenhuma história da Maçonaria seria completa sem elencar os Collegia Fabrorum entre suas fontes de influência. É evidente que existem consideráveis diferenças entre aquelas associações e as Lojas Maçônicas tais como as conhecemos hoje e mesmo como possivelmente funcionavam na Idade Média e início da Idade Moderna. A similitude aqui é em nível de aproximação entre objetivos, funcionamento e estrutura, já que tais colegiados incorporavam muitas práticas análogas ao que temos hoje na Maçonaria.


Alguns historidores tem reivindicado uma ligação direta entre os Collegia Fabrorum e a Maçonaria citando a organização conhecida no mundo romano como Colégio dos Artífices de Dionisio. Essa organização, supostamente teria sido uma herdeira dos antigos construtores, que desde a construção do Templo de Salomão continuavam preservando os segredos místicos da arte de construir. 


Essa hipótese busca confirmação na já bem conhecida teoria Comacine, segundo a qual alguns egressos desse grupo de arquitetos, fugindo das invasões bárbaras, se asilaram em um mosteiro próximo ao Lago Como na Itália, e ali sobreviveram vivendo como monges, preservando esses segredos por séculos até que os povos da Europa começaram novamente a reconstruir suas cidades. Então esses arquitetos comacinos serviram de mestres para esses novos maçons, que viriam a ser os antecessessores dos nossos irmãos operativos medievais. Segundo essa teoria, os comacinos, agindo como missionários cristãos, fundaram escolas em vários. países europeus, principalmente nas Ilhas Britânicas, na França e Alemanha, onde seus ensinamentos prosperaram com maior vigor.


Por fim cabe citar aqui a teoria proposta por Robert F.Gould em sua História da Maçonaria (Londres, 1727). Segundo esse autor os Collegia Fabrorum entraram nas Ilhas Britânicas através dos exércitos romanos, que deles necessitavam para construir e reconstruir as cidades que eram destruídas na guerra de conquista. Quando os romanos foram enfim expulsos da ilha essa instituição tipicamente romana foi recepcionada por seus sucessores anglo-saxões na forma de guildas formadas pelos profissionais dos mais variados serviços, entre eles, o mais importante, os pedreiros profissionais.
Essa teoria tem vários seguidores e apresenta uma certa lógica confirmada pela História da civilização nas Ilhas Britânicas. Todavia, há bem pouca documentação que a confirme.


Há também quem acredite que os Collegia Fabrorum tenham, de algum modo, sobrevivido no Império Romano do Oriente, através das guildas dos construtores bizantinos. Sua influência se fez sentir na Europa, servindo de núcleo para a fundação das guildas européias. Teriam sido, segundo essa crença, um importante elemento de influência na chamada Renascença, através principalmente das suas ligações com um famoso grupo de arquitetos florentinos. Foi a partir deste último grupo, aliás, que teria surgido a chamada Maçonaria Especulativa.

 
Evidentemente, a existência dos Collegia Fabrorum não explica, por si só a origem da Maçonaria, como também os Antigos Mistérios, nem as guildas dos antigos construtores medievais. Todas essas organizações e manifestações culturais constituem ligações que podem ser estabelecidas com maior ou menor grau de certeza, porém nenhuma delas pode ser efetivamente eleita como a legítima antecessora da Maçonaria. A verdade é que a Maçonaria, como todo arquétipo que habita no inconsciente coletivo da humanidade, não tem, como os demais institutos que moldam o espírito humano, uma fonte única de referência.


Da mesma forma que os Mistérios, as Guildas Medievais, as Sociedades religiosas dos judeus, as seitas gnósticas e os diversos clubes e agrupamentos de defesa de interesses mútuos que já se formaram no mundo, em todos os tempos, os Collegia Fabrorum ocupam um lugar proeminente nessa eterna luta em que o espírito humano se empenha, com o objetivo de organizar suas sociedades. A idéia de agrupar-se, de procurar juntar-se aos seus iguais é uma necessidade que o homem tem procurado suprir desde a aurora da sua existência. Ninguém consegue vencer sozinho os desafios que o mundo nos coloca. Por isso é que nos reunimos em grupos. Essa á a forma de colocarmos ordem no caos (Ordo ab Chaos), missão que o Grande Arquiteto do Universo nos confiou.


Por isso a história da Maçonaria é a história do sentimento de cooperação. É a história da Irmandade. Seja ela ligada por laços de uma mística idéia de que um dia essa união já existiu em seu estado mais perfeito, e que se pode recuperá-la pelo espírito da egrégora, ou simplesmente pela cultura pura e simples das virtudes que tornam a vida social mais feliz, essa é a esperança e o objetivo de toda Irmandade.


João Anatalino

NÃO JULGUE SEM CONHECER

 Pense antes de responder, conheça antes de julgar. Nestes tempos de pandemia, informações desencontradas e contra informações frequentes eu...